sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

Livre (filme)

Título: Livre (Wild)
Gênero: Drama, biografia
Duração: 1h56min
Lançamento: 15 de janeiro de 2015
Diretor: Jean-Marc Vallée
Elenco: Reese Witherspoon, Gaby Hoffmann, Laura Dern
Nacionalidade: EUA







O filme conta a história de Cheryl, que está atravessando uma fase difícil na sua vida. Após perder a mãe, se divorciar e ser viciada ela decide se aventurar em uma caminhada, acreditando que a proximidade com à natureza vá ajudá-la a superar tudo isso. É uma caminhada enorme pela costa do oceano Pacífico e sem ter experiência nenhuma e não saber usar a maioria dos equipamentos ela vai passar por dificuldades e momentos de desespero e são nesses momentos em que ela têm importantes reflexões sobre seu passado e sobre o que quer mudar na sua vida.

A jovem Cheryl é interpretada pela filha da real Cheryl Strayed. 
O filme é baseado no livro com mesmo título que conta toda essa trajetória, infelizmente não tenho ele ainda pra fazer uma comparação com o filme, mas li várias críticas positivas e assim que der leio e faço resenha aqui no blog.

O diretor cubriu todos os espelhos para que Reese não pudesse se ver durante as filmagens.
Eu já fui uma pessoa que escolhia o filme pelo gênero e drama estava fora da minha lista, mas recentemente expandi meus horizontes e assisti dramas incríveis e vi que perdi muita coisa boa nesse tempo que passei sem assistir dramas. Gostei muito desse filme, assisti do começo ao fim sem perder o interesse. É realmente uma história de superação, que são as que mais mexem comigo, e o que essa mulher viveu foi impressionante, as reflexões, o clima do deserto, tudo poderia ter feito ela desistir, mas pegou todos dos problemas e fez disso sua força. E isso não quer dizer que ela levou tudo na boa, e sim que ela foi mais forte do que os obstáculos que encontrou pelo caminho e fez disso algo bom. Acho que essa é a maior dificuldade da vida, muitas vezes deixo coisas bobas me afetarem e quando vejo um filme assim percebo o quanto fui boba deixando algo tão pequeno me afetar.

A verdadeira Cheryl Strayed faz uma participação especial no filme, como a mulher que esbarra na personagem principal no início do filme e lhe deseja boa sorte.
Recomendo esse filme, realmente me surpreendeu, fui assistir sem ter muitas expectativas e adorei! Não vejo a hora de ler o livro, não me importo de ver o filme primeiro, as vezes até fico mais curiosa pra ler e ver como é a escrita e as diferenças do livro e do filme. Bom, espero que vocês possam assistir, é um filme bem sério e um pouco pesado, mas vale cada minuto porque as reflexões da personagem despertam em quem assiste uma outra visão sobre como tem levado a vida e me deixou pensativa por uns dois dias.