segunda-feira, 21 de abril de 2014

Elefante (filme)

Oi :) Estou aproveitando o feriado para assistir alguns filmes que eu nunca ouvi falar! Simples assim, fui na locadora, peguei na estante e trouxe pra casa. O primeiro que assisti foi o Elefante ("Elephant").

É baseado no massacre de Columbine, que aconteceu em 1999 nos EUA, dois estudantes de 17 anos atiraram em vários alunos e professores. Essa escola era  famosa por não ter nenhum caso de violência registrado e muitas famílias se mudavam pra perto da escola para que seus filhos fossem matriculados lá. Essa tragédia foi brilhantemente recriada sob a direção de Gus Van Sant.

O que mais gostei no filme foi a simplicidade. É completamente diferente de todos os filmes que já vi. A maneira como ele mostra a vida normal e, as vezes, pacata dos estudantes fez com que a história ficasse mais real. Esse filme quebrou os padrões dos filmes americanos que mostram como o colegial é incrível, mostrou a realidade mesmo, algumas cenas são simplesmente os alunos caminhando pelos corredores da escola. A maneira como os dois jovens que realizaram o massacre se organizaram também mostra como, infelizmente, isso pode acontecer em qualquer lugar. Como o filme é "simples", a imagem se torna muito mais real, fiquei bem chocada.

Sinopse:
Ganhador dos prêmios Palma de Ouro e Melhor Diretor no Festival de Cannes de 2003, o drama realista de Gus Van Sant, Elefante nos leva para dentro de uma escola secundarista Americana em um dia comum, que rapidamente se torna trágico. A história se desdobra, cheia de tarefas em classe, futebol, fofocas e socialização. Observa as idas e vindas de seus personagens a uma distância segura, nos permitindo vê-los como eles são. Com cada estudante vemos a escola através de uma experiência diferente, uma nova lente. Estas experiências mudam de amigáveis e inocentes a traumáticas e muito perturbadoras.
Elefante demonstra que a vida nas escolas é uma complexa paisagem onde a vitalidade e a beleza de vidas jovens pode mudar da luz para a escuridão com velocidade surreal. É um dia comum em uma escola secundarista. Com exceção de que não é.